21
Nov

De cara al Decenio de la Agricultura Familiar Campesina, retos y perspectivas para América Latina

Los desafíos que enfrenta América Latina y el Caribe en materia de seguridad alimentaria y nutricional son enormes, desde la baja en el índice de desnutrición hasta establecer mecanismos que frenen el crecimiento acelerado del sobre peso y la obesidad. Una aliada perfecta en esta misión es la Agricultura Familiar Campesina (AFC), quien es la principal abastecedora de alimentos diversos, frescos y naturales. En adición, la AFC es fundamental en el desarrollo sostenible contribuyendo desde muchos aspectos, en la erradicación de la pobreza y la preservación de los recursos naturales y la biodiversidad.

Sin embargo, pensar en el desarrollo sostenible no es posible sin involucrar a los territorios y a sus pobladores como agentes promotores del cambio. Para ello, el IICA, con el apoyo de la Unión Europea y la FAO a través del Programa FIRST, junto con la academia representada por la Universidad Javeriana, la Universidad Nacional, la Uniagraria y la Uniminuto, convocó a más de 300 delegados de la sociedad civil, entes gubernamentales e instituciones al “XII Foro Internacional de Desarrollo Territorial y el V Congreso Internacional Gestión Territorial para el Desarrollo Rural, Cambios Estructurales en la Política Pública para a Ruralidad de América Latina en el Siglo XXI”, evento que se realiza desde el 2006 y que en esta ocasión se desarrolló del 6 al 8 de noviembre en la ciudad de Bogotá.

Este foro, realizado anualmente, busca propiciar un debate que contribuya a la construcción de una agenda país y una agenda latinoamericana, en la que los territorios rurales y sus principales actores sociales, superen su condición periférica en la política pública y participen como protagonistas de un proceso que reposicione el mundo rural en los marcos de desarrollo de los países y en la formulación de políticas públicas territoriales y su papel en el desarrollo sostenible, no solo en el espacio rural.

De igual manera, busca abrir una discusión sobre la nueva generación de políticas, innovaciones e iniciativas frente a los nuevos aprendizajes y desafíos que aproveche la experiencia del Foro como escenario privilegiado de visibilización de lo rural.

El sector rural en Colombia ha ganado espacio importante en la agenda política, así fue anunciado por varios de los participantes del Foro, camino que se ha logrado a través de diferentes sinergias entre la sociedad civil, el sector privado y la institucionalidad; lo que se convierte en una experiencia enriquecedora no solo para el país sino para la región.

No obstante, “todavía se debe avanzar en el diseño e implementación de políticas públicas que posicionen a la economía campesina, familiar y comunitaria en un papel aún más protagónico en el país; considerando que aún la agricultura familiar representa más del 70% de la producción de alimentos y aporta cerca del 57% de empleo rural” señaló Marcos Rodríguez Fazzone, Especialista Senior del Área de Sistemas Agrolimentarios y Mercados Inclusivos de la FAO Colombia, durante el panel: Decenio de la Agricultura Familiar, retos y perspectivas para América Latina. “Lejos de ser un sector inviable, la AFC asume un rol estratégico en la seguridad alimentaria del país. Desarrollar su potencial depende de políticas más efectiva que combinen estrategias de inclusión social y productiva”, añadió.

El Decenio de la Agricultura Familiar Campesina

En el 2014 fue declarado el Año Internacional de la Agricultura Familiar (AIAF), una iniciativa global que se tradujo en un fortalecimiento de la sociedad civil, la creación de una nueva institucionalidad y de políticas específicas para la AFC. Este gran avance, motivó a que el 20 de diciembre de 2017 la Asamblea General de las Naciones Unidas proclamó la declaración del Decenio de la Agricultura Familiar (2019-2028), haciendo un llamado a la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura (FAO, por sus siglas en inglés) y al Fondo Internacional para Desarrollo Agrícola (FIDA) para liderar la implementación de esta iniciativa.

Más del 90% de los 570 millones de explotaciones agrícolas en el mundo están administradas por un individuo o una familia y dependen principalmente de la mano de obra familiar. Estas granjas producen más del 80% de los alimentos del planeta en términos de valor, lo que confirma su importancia clave en la seguridad alimentaria mundial de hoy y para las generaciones futuras.

Los Objetivos de Desarrollo Sostenible se caracterizan por una especial atención a los pequeños campesinos y los agricultores familiares, con los objetivos de la Agenda 2030, de duplicar su productividad agrícola y sus ingresos, en particular de las mujeres, incluyendo igualmente a los pueblos indígenas, pastores y pescadores.

La atención e inversión de las políticas debe enfocarse no solo en aumentar rendimientos e ingresos, sino también en reconocer y valorar los aportes intangibles que la AFC aporta a las metas del desarrollo nacional y los ODS, relacionados con su permanencia en las zonas rurales evitando acentuar la migración y la generación de alimentos diversos preservando los ecosistemas.

Contacto de prensa:
Ana Milena Reyes Arias
ana.reyes@fao.org
Cel. 3184022156

Fonte http://www.fao.org/colombia/noticias/detail-events/en/c/1169478/

9
Nov

Cultivo de oliveiras e criação de ovelhas em Pinheiro Machado/RS

O texto trata sobre a relação entre paisagem e identidades locais, visto que a paisagem simbólica sugere uma investigação histórica e cultural e está intrinsecamente ligada a paisagem material, esta é modelada pelos usos que o homem faz do espaço.

No caso específico que trata sobre agricultura, os aspectos de uma territorialidade auxiliam na manutenção e ou surgimento de uma determinada economia local, que entre outras especificidades também dizem respeito as identidades sócio culturais de uma pessoa ou grupo. Dependendo do local onde se vive, dos gostos e habilidades dos sujeitos, não deixando de lado os aspectos geográficos, heranças e trocas culturais que permeiam o viver e o trabalhar dos indivíduos. No mesmo instante que nós produzimos uma paisagem, ela também nos produz.

Assim temos o município de Pinheiro Machado, o qual foi identificado como o melhor lugar no Brasil para o cultivo de oliveiras, isso se dá devido aos aspectos da territorialidade e da geografia, tais como: clima, solo e altitude favoráveis. Essas especificidades locais oportunizam boa produção de azeitonas que dão origem a azeites de ótima qualidade e ao aumento de produtores interessados nessa atividade.

Uma peculiaridade é a criação de ovelhas concomitante ao cultivo das oliveiras, assim que as plantas completam três anos, os rebanhos passam a utilizar o mesmo espaço, se alimentando das gramíneas, mantendo assim o terreno limpo de ervas daninhas, o solo pedregoso é ideal tanto às oliveiras quanto as ovelhas, casamento perfeito que beneficia a economia do município.

Na Fazenda Guarda Velha, da família Batalha, encontra-se a maior produção de azeitonas do Brasil, com 90 mil pés cultivados em 300 hectares. Entre as grandes produtoras também tem a Olivarium Indústria de Azeite. No entanto,  não são apenas as grandes empresas que estão produzindo azeites de ótima qualidade, pequenos e médios produtores rurais também, eles fazem o beneficiamento das azeitonas na indústria da família Batalha, no município gaúcho.

O Estado do Rio Grande do Sul é o maior produtor de azeitonas do Brasil, porém a produção ainda é pequena frente a quantidade importada. Aqui no Sul temos espaços suficientes, clima e solo favoráveis para aumentar a produção de azeites, então se conclui que só está faltando produtores com disposição para entrar no ramo do cultivo de oliveiras.

Contextualizando esse caso com autores da antropologia, para Gonçalves (2007) e Debora Leitão (2010), quando se trata de representações identitárias de um indivíduo ou grupo,  os sujeitos, objetos e coisas são indissociáveis estão interligados e mais que representar uma determinada cultura eles expressam uma forma de organização e constituição de identidades.

No caso de Pinheiro Machado a formação cultural dos produtores de oliveiras e ovinos estão interligados com a paisagem, a lida com os animais, cultivo das oliveiras, o solo, as ferramentas, etc. Enfim, tudo isso contribuem para expressar uma identidade sócio cultural local. Assim a cultura material, a imaterial, juntamente com os aspectos do ambiente possuem relações sociais entre si. Segundo Débora Leitão devem ser observados no contexto e não na unidade, e os chama de “objetos construtores” de identidades, memórias e cultura.

Entre outros exemplos os quais podemos apontar, está o cultivo de uvas na região de Caxias do Sul, Bento Gonçalves, região da serra, entre diversos exemplos de economia que tem haver com a territorialidade dos lugares, muitos produtos e saberes são oriundos de herança familiar, até mesmo trazidos pelos imigrantes e reestruturados por seus descendentes, outros nascem ou ressurgem a partir de trocas culturais potencializadas pelos fatores ambientais.

Seria interessante ampliar os estudos com o auxílio da antropologia ecológica de Tim Ingold e a fenomenologia de Merleau-Ponty, pois, ambos concordam com a relação entre humanos e não humanos, natureza e cultura, a interligação entre sujeitos, objetos e coisas.

Cátia Simone Castro Gabriel da Silva
Antropóloga Social e Cultural

28
Mar

Museu Histórico de Morro Redondo

No domingo dia 26/03/2017, visitei o Museu Histórico de Morro Redondo, achei muito bonito e interessante à narrativa sobre a trajetória dos imigrantes e seus descendentes no território de Morro Redondo, contado pela Andrea Messias, estudante de museologia. Essa trajetória é também representada na cultura material e imaterial dos objetos do museu, no entanto, senti que está faltando à parte que trata da morte, pois tem o início e meio, mas falta o fim.  Também a Andrea disse que foi difícil conseguir objetos mais antigos, só os datados a partir de 1950.

Porém quando visitei o Cemitério Municipal de Morro Redondo, achei uma lápide de túmulo na língua alemã, de uma imigrante que nasceu em 1835 e faleceu em 1910. Seria interessante trazer para o museu esse e outros dados sobre o falecimento dos primeiros imigrantes que por aqui chegaram, pois a partir dai, formar-se-ia outras redes de contatos, proporcionando novas descobertas para o conhecimento da comunidade e dos visitantes.

lapide-imigrante-alema

Também achei o espaço do museu muito pequeno, apesar dos esforços dos criadores, organizadores e colaboradores, o tamanho e a localização do museu não estão fazendo jus a importância da diversidade cultural de Morro Redondo.

Cátia Simone da Silva
Antropóloga Social e Cultural
catia@antropologiasocial.com.br

15
Nov

Vídeo das Quebradeiras de Coco Babaçu – São Domingos, Pará

As quebradeiras de coco vivem do extrativismo do babaçu nos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Pará.
Em 1995 as trabalhadoras rurais criaram o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), com a finalidade de garantir o direito dessas mulheres à terra e à palmeira (babaçu), o seu meio de sustento e também o reconhecimento como categoria profissional. No processo de extrativismo do coco babaçu, as mulheres aproveitam as folhas e palhas para fazer cestos, com a casca produzem o carvão e com as castanhas é produzido azeite e sabão.

O trabalho das quebradeiras pode ser contextualizado com alguns autores da Antropologia, podemos ver que é constituído de saberes tradicionais locais, diferente dos científicos que são universais. Não são saberes fechados, acabados, mas estão em constante processo de investigação e ressignificação, sendo passados de uma geração para outra através da oralidade (CUNHA: 2009).

Também segundo Lévi-Strauss (O Pensamento Selvagem: 1989), nos conhecimentos tradicionais operam-se  com unidades percentuais, ou seja, é através da percepção das coisas que irão ocorrer as lógicas perceptuais ou míticas. Para esse autor o bricoleur foi a ciência primeira, significa um modo de pensar empírico, onde errando e acertando as sociedades conseguiram atingir as suas técnicas e passá-las as outras gerações. O bricoleur é aquele processo onde a pessoa trabalha com as suas mãos, elaborando estruturas e operando através de signos, com unidades perceptuais e com aquilo que estiver ao seu alcance, estando no nível sensível e da imaginação.

Assim o vídeo relata todo esse universo dos saberes tradicionais e também as questões sociais enfrentadas pelas trabalhadoras.

É muito interessante aos estudantes da área das humanas: antropologia, sociologia, história… que tenham como interesse a temática com as comunidades tradicionais.

Cátia Simone da Silva
Antropóloga Social e Cultural
catia@antropologiasocial.com.br

Referências:
http://www.cerratinga.org.br/populacoes/quebradeiras/   acessado em 15/11/2016 às 11h e 30min.
Cunha, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas. “Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico”: COSAC NAIF, 2009.
Lévi-Strauss, Claude. O Pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.

19
Aug

Gamela retomam fazenda usada para retirar barro do rio Piraí (MA), sagrado para o povo

gamela

O povo Gamela retomou na manhã desta segunda-feira, 15, uma fazenda incidente no território tradicional reivindicado pelos indígenas no município de Viana, Maranhão. A área fica às margens do rio Piraí, sagrado para o povo; nele vive João Piraí, Encantado protetor dos Gamela e das águas onde se reproduzem os peixes fonte de alimentação aos indígenas.

“Estamos bem, mas o fazendeiro já está rondando nosso acampamento com capangas. A gente teme por um ataque porque eles são perigosos. A retomada é uma forma de proteger a Mãe Terra, que vinha sendo maltratada pelos fazendeiros, e de reiterar à Funai para que seja criado o Grupo de Trabalho para a identificação e demarcação de nosso território”, explica Kaw Gamela.

Nas últimas semanas os Gamela estiveram em Brasília para agenda envolvendo a demanda territorial do povo. “Ao longo dos anos o rio foi sendo destruído pelos fazendeiros que devastaram  suas margens, assorearam seu leito, retiraram dele milhares de toneladas de barro para cerâmica – tijolos e telhas. São consequências extremamente prejudiciais ao povo”, diz trecho do comunicado da retomada divulgado pelos Gamela logo cedo.
Conforme Kum’tum Gamela a família que estava na casa grande da fazenda está retirando os pertences com segurança. A área é usada para a criação de gado e a retirada do barro do rio Piraí para abastecer uma cerâmica também do fazendeiro. “Já mandamos mensagens para o coordenador da Funai, que não respondeu. Desde janeiro a Funai não aparece aqui”, diz o Gamela.

O território Gamela teve a primeira ‘demarcação’ em 1759, quando 14 mil hectares foram destinados ao povo por doação da Sesmaria. Kum’tum explica que esta é a primeira referência do povo para a atual reivindicação. No entanto, durante o século 19 um outro aldeamento Gamela foi erguido fora da área doada pela Sesmaria, e esta é a segunda referência do povo. Durante o século 20, no entanto, as expulsões dos Gamela destas áreas se intensificaram.

“Atualmente o nosso processo de demarcação está paralisado na qualificação de demanda, que já foi feita”, afirma Kum’Tum. O povo Gamela, composto por cerca de 1.500 indígenas, ocupam hoje sete áreas. A retomada de hoje de manhã fica perto da aldeia Cajueiro; entre agosto e dezembro do ano passado os Gamela retomaram outras três porções do território reivindicado.
Em represália, os Gamela passaram a sofrer ameaças de morte e uma rede de boatos se instalou nos municípios vizinhos na tentativa de colocar a população contra os indígenas. Das sete áreas ocupadas pelos Gamela, quatro estão com ações de reintegração de posse em tramitação na Justiça Federal e uma, na margem oposta do rio Piraí à retomada de hoje, com interdito proibitório solicitado pela fazendeira contra os indígenas.

Fonte da notícia: www.cimi.org.br

28
Jul

Documentário etnográfico sobre o saber tradicional dos graniteiros de Capão do Leão/RS

26
Jul

Encontro Internacional de Antropologia Marítimo-Costeira e Educação Ambiental – FURG /Rio Grande/RS

Data: 10, e 11 de Agosto de 2016
Local: Campus Carreiros – FURG.

Nas regiões costeiras encontra-se uma diversidade de grupos humanos que vivem em contextos socioambientais singulares. Estes vêm conhecendo questionamentos em face de outras complexidades sociais, como a questão ambiental, as políticas relacionadas à pesca e à educação, o desenvolvimento de vários modelos de turismo, as demandas globais e de transformações industriais. O acesso a diversas experiências de pesquisa nos elucidam sobre as práticas econômicas, sociais e simbólicas singulares a essas populações em seus contextos particulares. Neste encontro, buscaremos apresentar estudos e refletir acerca do estado atual de pesquisas sobre o tema, principalmente nas áreas de Antropologia e Educação Ambiental, suas interfaces e tudo o que envolve o modo de vida ligado às práticas de educação, trabalho e percepção nos ambientes marítimo-costeiros.

Inscrições: http://sinsc.furg.br/detalheseventos/443

Programação:

Quarta-feira, 10/08. 19h-21h. Sala 3104
Conferencia de abertura com o Prof.Daniel Quiroz (Universidad de Chile)
– Antropología, arqueología y medio ambiente: interfaces y trayectoria de investigación.

Quinta-feira, 11/08. 9h-12h. Sala 4115
Mesa 01 – “Conflitos, Territorialidades Costeiras e Gestão Ambiental”
Profa. Leticia D’ ambrosio (CURE-UDELAR),
Prof. Carlos Machado (FURG), Profa. Lucia Anello (FURG). Mediação: Profa. Adriana Fraga da Silva (FURG)

14 h – 17h. Sala 4110
Mesa 02 – “Imagens, Saberes Costeiros e Educação Ambiental”
Prof. Gastón Carreño (CEAVI),
Prof.Martin Cesar Tempass(FURG), Prof. Gianpaolo Adomilli (FURG).
Mediação Profa. Cassiane Paixão (FURG).

17h-18:30. Sala 3108
Roda de conversa: Antropologia e Educação Ambiental: diálogo, interface e pesquisas

19h – 21h. Sala 3108
Conferencia de encerramento com o Prof. Gabriel Noel (IDAES – UNSAM) -“Las Disputas Territoriales en Clave Moral : la Antropología de las Moralidades y el Análisis de la Conflictividad Política”.

Realização: NECO – Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras e Saberes Tradicionais – FURG

24
Mar

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL “TERRA E TERRITÓRIO NAS AMÉRICAS: ESTRANGEIRIZAÇÃO DE TERRAS, RESISTÊNCIAS E ALTERNATIVAS”

Em Bogotá de 23 a 26 de agosto de 2016, na Universidad  Externado de Colombia.

CHAMADA de trabalhos (resumos) ATÉ 31 DE MARÇO de 2016
Serão aceitos trabalhos para as mesas de trabalho (detalhes em anexo) no formato de resumos ampliados sobre resultados e avanços da pesquisa de temas relacionados com os cinco eixos temáticos da Conferência. Na seleção dos trabalhos serão consideradas as contribuições para dinamizar as referidas mesas. Os resumos ampliados serão recebidos através do correio tierrasyterritorios@uexternado.edu.co até o dia 31 de março de 2016.

Rede de Estudos Rurais
http://www.redesrurais.org.br/
rdestudosrurais@gmail.com
Av. Presidente Vargas 417, 9o. andar
20071-003 – Rio de Janeiro – RJ