Categoria ‘Arqueologia’ Antropologia

28
Mar

Museu Histórico de Morro Redondo

No domingo dia 26/03/2017, visitei o Museu Histórico de Morro Redondo, achei muito bonito e interessante à narrativa sobre a trajetória dos imigrantes e seus descendentes no território de Morro Redondo, contado pela Andrea Messias, estudante de museologia. Essa trajetória é também representada na cultura material e imaterial dos objetos do museu, no entanto, senti que está faltando à parte que trata da morte, pois tem o início e meio, mas falta o fim.  Também a Andrea disse que foi difícil conseguir objetos mais antigos, só os datados a partir de 1950.

Porém quando visitei o Cemitério Municipal de Morro Redondo, achei uma lápide de túmulo na língua alemã, de uma imigrante que nasceu em 1835 e faleceu em 1910. Seria interessante trazer para o museu esse e outros dados sobre o falecimento dos primeiros imigrantes que por aqui chegaram, pois a partir dai, formar-se-ia outras redes de contatos, proporcionando novas descobertas para o conhecimento da comunidade e dos visitantes.

lapide-imigrante-alema

Também achei o espaço do museu muito pequeno, apesar dos esforços dos criadores, organizadores e colaboradores, o tamanho e a localização do museu não estão fazendo jus a importância da diversidade cultural de Morro Redondo.

Cátia Simone da Silva
Antropóloga Social e Cultural
catia@antropologiasocial.com.br

26
Jul

Encontro Internacional de Antropologia Marítimo-Costeira e Educação Ambiental – FURG /Rio Grande/RS

Data: 10, e 11 de Agosto de 2016
Local: Campus Carreiros – FURG.

Nas regiões costeiras encontra-se uma diversidade de grupos humanos que vivem em contextos socioambientais singulares. Estes vêm conhecendo questionamentos em face de outras complexidades sociais, como a questão ambiental, as políticas relacionadas à pesca e à educação, o desenvolvimento de vários modelos de turismo, as demandas globais e de transformações industriais. O acesso a diversas experiências de pesquisa nos elucidam sobre as práticas econômicas, sociais e simbólicas singulares a essas populações em seus contextos particulares. Neste encontro, buscaremos apresentar estudos e refletir acerca do estado atual de pesquisas sobre o tema, principalmente nas áreas de Antropologia e Educação Ambiental, suas interfaces e tudo o que envolve o modo de vida ligado às práticas de educação, trabalho e percepção nos ambientes marítimo-costeiros.

Inscrições: http://sinsc.furg.br/detalheseventos/443

Programação:

Quarta-feira, 10/08. 19h-21h. Sala 3104
Conferencia de abertura com o Prof.Daniel Quiroz (Universidad de Chile)
– Antropología, arqueología y medio ambiente: interfaces y trayectoria de investigación.

Quinta-feira, 11/08. 9h-12h. Sala 4115
Mesa 01 – “Conflitos, Territorialidades Costeiras e Gestão Ambiental”
Profa. Leticia D’ ambrosio (CURE-UDELAR),
Prof. Carlos Machado (FURG), Profa. Lucia Anello (FURG). Mediação: Profa. Adriana Fraga da Silva (FURG)

14 h – 17h. Sala 4110
Mesa 02 – “Imagens, Saberes Costeiros e Educação Ambiental”
Prof. Gastón Carreño (CEAVI),
Prof.Martin Cesar Tempass(FURG), Prof. Gianpaolo Adomilli (FURG).
Mediação Profa. Cassiane Paixão (FURG).

17h-18:30. Sala 3108
Roda de conversa: Antropologia e Educação Ambiental: diálogo, interface e pesquisas

19h – 21h. Sala 3108
Conferencia de encerramento com o Prof. Gabriel Noel (IDAES – UNSAM) -“Las Disputas Territoriales en Clave Moral : la Antropología de las Moralidades y el Análisis de la Conflictividad Política”.

Realização: NECO – Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras e Saberes Tradicionais – FURG

11
Nov

Povos Indígenas e Comunidades Locais nos Diagnósticos do Painel da Biodiversidade

O Intergovernmental Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES) realiza nos dias 12 e 16 de novembro, no IEA, o seminário Povos Indígenas e Comunidades Locais nos Diagnósticos do Painel da Biodiversidade. Veja os horários na programação abaixo.

O objetivo é garantir a participação dos povos indígenas e das comunidades locais nos diagnósticos realizados pela IPBES no Brasil. O evento é restrito a convidados, mas o público poderá acompanhar as exposições ao vivo pela internet no endereço: www.iea.usp.br/aovivo

A coordenação do seminário é da antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e da University of Chicago, nos Estados Unidos. Os expositores serão os autores dos diagnósticos. Graças ao encontro, eles poderão ter acesso a informações, experiências e fontes que lhes permitam levar  em consideração adequadamente (em seus trabalhos) a visão e as práticas indígenas e das comunidades locais, bem como as políticas que afetam a biodiversidade dos territórios dessas populações.

Entre os temas a serem apresentados estão: o valor, o uso e a importância da biodiversidade e do território; conhecimento e uso sustentável da biodiversidade: paisagens, fauna, história natural, calendários; agrobiodiversidade; agricultura tradicional e fogo; a floresta antropogênica: arqueologia e história ecológica da biodiversidade brasileira; populações tradicionais e desmatamento; hidrelétricas grandes e pequenas;  madeireiras e mineradoras; Código Florestal e Convenção 169 da OIT.

PROGRAMAÇÃO

12 de novembro – Primeira Sessão

10h    Bem Viver no Alto Rio Negro — Conhecimentos e Práticas
André Baniwa (presidente da Oibi)
10h45    O Bem Viver no Parque Indígena do Xingu
Paulo Junqueira (Instituto Socioambiental)
11h30    Intervalo
11h45    A Floresta Antropogênica: Arqueologia e História Ecológica da Biodiversidade Brasileira
Eduardo Góes Neves (MAE-USP)
12h30    Agrobiodiversidade e Povos Tradicionais
Manuela Carneiro da Cunha (FFLCH-USP e University of Chicago, EUA)
13h15    Intervalo
14h30    Hidrelétricas, Povos tradicionais e Biodiversidade
Sonia Magalhães (UFPA)
15h15    Um Caso: Oriximiná
Lúcia Andrada (CPI-SP)
16h    Pressões Desenvolvimentistas e Áreas Indígenas: o RAISG
Carlos Alberto Ricardo (Instituto Socioambiental)
16 de novembro — 2ª Sessão

9h30    Bem Viver de um Povo sem Agricultura: Os Awá Guajá
Uirá Garcia (Unifesp)
10h15    Biodiversidade e Saúde dos Povos Indígenas
Carlos Coimbra (Fiocruz)
11h30    Intervalo
11h15    Populações Tradicionais e Proteção de Unidades de Conservação: O Caso da Terra do Meio
Juan Doblas (ISA)
12h    Fogo como Manejo no Cerrado: O caso Xavante
James Welch (Fiocruz)
12h45    Almoço
14h15    Território e os Wayampi do Amapá
Dominique Gallois e Joana Oliveira (USP e Instituto Iepé)
15h    Recuperação de Terras Degradadas em Áreas Indígenas Amazônicas
Marcus Schmidt (ISA)
15h45    Intervalo
16h    O PNGATI
Maira Smith (FUNAI)
16h45    Governança dos Commons: Pescadores Artesanais
Cristiana Seixas (Unicamp)
Povos Indígenas e Comunidades Locais nos Diagnósticos do Painel da Biodiversidade
12 de novembro e 16 de novembro, das 9h30 às 17h30

Participação presencial exclusiva para convidados — O público poderá acompanhar  a transmissão ao vivo pela internet
Informações: com Marisa Macedo (marmac@usp.br), telefone (11) 3091-8677
Página do evento: http://www.iea.usp.br/eventos/ipbes-povos-indigenas

25
Oct

Chamada para publicação – Revista Raízes

Prezados(as),

A Revista Raízes informa que está aberta a chamada para o recebimento de trabalhos inéditos (artigos, ensaios, resenhas e relatos de pesquisa) para composição dos volumes 35 e 36, números 1 e 2.

Prazos para envio:
2015. 35, N. 1, jan./jun. 2015: até 10 de novembro de 2015.
2016. 35, N. 2, jul./dez. 2015: DOSSIÊ – DA ANTROPOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO A SÓCIO-ANTROPOLOGIA DO MUNDO SOCIAL: até 15 de novembro de 2015.
V.36, N. 1, jan./jun. 2016: até 20 de março de 2016.
V.36, N. 2, jul./dez. 2016: até 20 de maio de 2016.

As normas para o envio de contribuições podem ser consultadas em: www.ufcg.edu.br/~raizes. Os textos deverão ser submetidos através do nosso site.
A Revista Raízes também recebe textos em fluxo contínuo. Visite o nosso site e boa Leitura!

Cordialmente,

Os editores.

21
Oct

Encontro sobre imagens e saberes costeiros

Prezad@s,

Convidamos a tod@s para assistirem a Mesa Redonda intitulada “Imagens e Saberes Costeiros”, dia 06/11, das 14h30min às 18h, no Auditório da SEAD – Campus Carreiros – FURG – Rio Grande/RS, é  organizada pelo NECO – Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras e Saberes Tradicionais – FURG.

Contará com a participação de Ana Elisa de Castro Freitas (UFPR), Mártin César Tempass (FURG) e Eduardo Harder (UFPR).

Inscrições: http://sinsc.furg.br as vagas são limitadas.

mesa-redonda-imagens-saberes-costeiros

mesa-redonda-imagens-saberes-costeiros1

Att,

Dr. Gianpaolo Knoller Adomilli
Universidade Federal do Rio Grande – FURG
Bacharelado em Arqueologia/ICHI
Programa de Pós Graduação em Educação Ambiental
Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras e Saberes Tradicionais
https://necofurg.wordpress.com/

17
Sep

Seleção para o Mestrado em Antropologia na UFPel

A Universidade Federal de Pelotas, em conformidade com o Regimento Stricto Sensu da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação e a Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Antropologia torna público, para conhecimento dos/as interessados/as, o processo de seleção 2016 dos/as candidatos/as do referido Programa, nos termos estabelecidos no Edital em anexo.

16
Mar

Edital para seleção de bolsistas do Museu Arqueológico e Antropológico da UFPel

O Programa de Implantação do Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade Federal de Pelotas está com edital aberto para selecionar quatro bolsistas, por se tratar de um projeto multidisciplinar/transdisciplinar/interdisciplinar, a seleção está aberta para os estudantes de todas as áreas de formação acadêmica. O período de inscrições é de 16 – 20 de março de 2015.

Clique aqui para acessar o Edital para seleção de bolsista Museu Arqueológico e Antropológico da UFPel

10
Oct

Edital para Mestrado em Antropologia na UFPel

A Universidade Federal de Pelotas e a Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Antropologia tornam público, para conhecimento dos/as interessados/as, o processo de seleção de candidatos/as ao Mestrado em Antropologia para ingresso em 2015. Mais informações confira o Edital ou acesse o site www.antropologiaufpel.com.br.

Atenção!
Pelo menos 4 destas vagas serão destinadas à Política de Acesso afirmativo, para candidatas/os indígenas, negras/os ou pertencentes a comunidades tradicionais.