Categoria ‘Eventos’ Antropologia

15
Feb

Chamada para envio de resumos para o IV ENANPPAS

anpas

Atendendo a pedido de muitos membros da comunidade pesquisadores da ANPPAS e visando um encontro amplo, abrangente e proveitoso, a comissão organizadora do VI Encontro Nacional da ANPPAS resolve estender a data limite para envio de resumos. A nova data passa a ser 28 de fevereiro de 2012. Neste período os participantes que já enviaram seu resumo, poderão fazer modificações e substituições livremente em seus trabalhos. A ANPPAS espera com estas medidas realizar um encontro histórico na região norte do país. Não perca essa oportunidade!!

O ENANPPAS é um evento organizado pela ANPPAS (Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade) a cada dois anos e que reúne a comunidade interessada em estudos e pesquisas em Ambiente e Sociedade. Os encontros nacionais da ANPPAS são fóruns importantes de discussão e de comunicação entre os pesquisadores, profissionais e estudantes que integram nossa comunidade.

Ver mais detalhes no link: http://www.anppas.org.br/encontro6

Outras datas importantes:
05/03/2012 – Divulgação no site das propostas aprovadas de resumos expandidos
22/06/2012 – Prazo para submissão de trabalhos completos para os GTs

Grupos Temáticos:
GT01 – Turismo, Ambiente e Sociedade
GT02 – Espaços socioambientais, mediação e conflitos rurais
GT03 – Políticas públicas e meio ambiente
GT04 – Mudanças ambientais e agravos à saúde humana
GT05 – Alternativas comunitárias de conservação da bio e sociodiversidade
GT06 – Sociedade, Ambiente e Educação
GT07 – Sociedade, Mercado e Sustentabilidade
GT08 – Mídia e Ambiente
GT09 – Água: território, democracia e governança
GT10 – Teoria Social e Meio Ambiente: avanços e desafios
GT11 – Mudança climática e as cidades
GT12 – Sistema de uso comum de Recursos Naturais: dinâmica social e política
GT13 – Meio Ambiente e Consumo
GT14 – Desenvolvimento, Meio Ambiente e População
GT15 – Relações Internacionais e Meio Ambiente
GT16 – Direito Ambiental e Ordenamento Territorial
GT17 – Energia e Meio Ambiente
GT18 – Territórios e Usos da Terra na Amazônia

Universidade Federal do Pará
Rua Augusto Corrêa, nº 1 – Cidade Universitária Prof. José Silveira Neto – Guamá
Setor Profissional CEP: 66075-900 Belém-Pará-Brasil
Web:  http://www.anppas.org.br/encontro6/

23
Jan

ABA – 28a. RBA – Prazo para envio de propostas para GTs

A Comissão Organizadora da RBA vem lembrar que termina nesta quinta-feira, dia 26/01/2012, o prazo para envio de resumos para um dos 69 Grupos de Trabalho programados para a 28a. Reunião Brasileira de Antropologia, a ser realizada de 2 a 5 de julho de 2012, no campus da PUC-SP, São Paulo, SP.

Participe!

Acesse o site oficial da Reunião, www.28rba.abant.org.br

7
Nov

Raízes Africanas: a negritude na identidade brasileira

Cartaz Raizes

Veja toda a programação clicando aqui.

Enviado pelo prof. Dr. Gianpaolo Adomilli
Coordenador NECO – Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras e Saberes Tradicionais/FURG

18
Oct

PROJETO QUILOMBO DAS ARTES

CRAS – ESCOLA NOSSA SRA. DOS NAVEGANTES
Universidade Federal de Pelotas

CONVIDA:

A tod@s para a MOSTRA “NAVEGANDO EM SHAKESPEARE”, quando os diversos grupos de teatro e dança do Projeto Quilombo das Artes, integrado por crianças, adolescentes, jovens e adultos, irão apresentar esquetes de teatro e coreografias de dança inspirados na obra de W. Shakespeare. Esta Mostra é expressão parcial deste Projeto de educação continuada iniciado em março de 2010, no bairro Navegantes II, território humano de muita pobreza e violência. A mostra irá ocorrer nos dias 29 e 30 de outubro, sábado e domingo, a partir das 15h, no Teatro do COP (Almirante Barroso, 2540), em Pelotas, com entrada franca.
No aguardo de suas esperadas presenças, envio meu fraterno abraço.

Paulo Gaiger
Prof. Dr. Coordenador do Projeto Quilombo
e Coord. Núcleo Rondon UFPel

2
Oct

V Seminário Povos Indígenas e o Estado

5, 6 e 7 de outubro de 2011
Local: Memorial do Rio Grande do Sul
Rua: 7 de Setembro, n. 1020, Porto Alegre
Para visualizar as informações clique nos cartazes.

V SEMINARIO INDIGENA

V SEMINARIO INDIGENA

Enviado pelo prof. Dr. Gianpaolo Adomilli
Coordenador do NECO – Núcleo de Estudos Sobre Populações Costeiras Tradicionais/FURG

23
Sep

O Ciclo de Experiências de Campo – CEC 2011 – UFPel

É uma atividade de extensão vinculada ao curso de Bacharelado em Antropologia do Instituto de Ciências Humanas da UFPEL, e se realizará nos dias 24 e 25 de outubro de 2011 nos períodos da tarde e noite.

O CEC busca promover um espaço de discussão das pesquisas realizadas nas áreas de Antropologia e Arqueologia. Contribui para a formação do(a)s acadêmico(a)s vinculados a estudos teóricos e etnográficos, pela possibilidade de partilharem suas experiências de campo com a comunidade acadêmica.

Essa atividade de extensão é importante para a  pesquisa e o ensino de antropologia (GEERTZ,1990), sendo fundamental para a consolidação dessas duas áreas na Universidade.

Promove a discussão e organização do material a ser apresentado na forma de pôsteres, em Congressos de Iniciação Científica e Encontros de Graduação e Pós-Graduação, oportunizando uma experiência de debate, construção e defesa de idéias e pesquisas.

Após apresentação os pôsteres estarão expostos nas dependências do ICH, até o final do semestre. Para a apresentação serão utilizados apenas computador e data show em espaço a ser divulgado.

Inscrições e mais informações: IIIciclo@gmail.com

Enviado por:

Camile Vergara
Organização do CEC

17
Sep

Evento para o Mestre Batista

Escola de Samba Ramiro Barcelos

mestre-baptista

Ingressos: Clube Fica Ahi, a partir da próxima segunda, a tarde ou pelo telefone 84444527

Enviado pela profa. Dra. Rosane Hubert – UFPel

7
Sep

Festival mato-grossense de Artes e Tradições Gaúchas promove aproximação entre brancos e índios

Xinguanos aproveitam festival tradicional gaúcho realizado em Canarana (MT) para apresentar sua cultura e mostrar que o convívio entre brancos e índios pode – e deve – ser harmônico.

Produzidos com colares, cocares e pinturas corporais, 40 indígenas do Parque Indígena do Xingu (MT) apresentaram um pouco de sua cultura na II Etapa do Circuito Femart (Festival mato-grossense de Artes e Tradições Gaúchas), no dia 28 de agosto, em Canarana (MT). Liderados pelo professor indígena e diretor da Atix (Associação Terra Indígena do Xingu) Mutuá Kuikuro, os xinguanos pararam o baile e chamaram a atenção das 400 pessoas que lotavam o Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Pioneiros do Centro-Oeste.

No ano em que o Parque completa 50 anos de criação, esta foi uma oportunidade dos índios mostrarem um pouco da sua cultura aos vizinhos da cidade. Em breve discurso, Mutuá ressaltou o histórico de conflitos entre brancos e índios. Lembrou a todos os presentes – em sua maioria de origem europeia – que “os índios não gostam dos brancos e que os brancos não gostam dos índios”, mas que havia ali uma oportunidade de mudar esse cenário. A inesperada fala arrancou muitas palmas da plateia, e com um clima que variava entre “admiração e incômodo”, conforme relata Rodrigo Junqueira, coordenador adjunto do Programa Xingu, do Instituto Socioambiental (ISA), os índios dançaram durante 30 minutos para o público presente no CTG. “O público presente assistiu a tudo com respeito e atenção Em tempos de tensão, posições polarizadas e ânimos acirrados sobre o Código Florestal, Unidades de Conservação e Terras Indígenas foi algo impressionante de ver”, diz.

A maior parte dos xinguanos pisou num CTG pela primeira vez e a troca cultural foi intensa: mistura de culturas, símbolos, indumentárias. Lá, eles puderam conhecer um pouco mais das tradições gaúchas, com as prendas de vestidos rodados de manga longa e com peões de bombachas, guaiacas, lenços e esporas. Aprendizado e conhecimento mútuo.

Para José Mitielo, vice-patrão do CTG, a experiência foi única e permitiu uma troca ainda não vista na região. “Eles são nossos companheiros na cidade e muita gente não sabe nada sobre eles. Daí surgiu a ideia de trazê-los para o encerramento do nosso festival. Foi um momento maravilhoso. E o principal é que muita gente passou a olhar diferente para os índios depois disso, com mais respeito. E esse era o nosso objetivo, começar uma aproximação entre essas duas partes e deu certo”, conta.

Sinal de que uma semente para o convívio mais harmônico foi plantada veio ao final do encontro, quando uma jurada do festival, trajada tipicamente, pediu desculpas, como descendente de europeus, pelas barbaridades que ocorreram ao longo da história contra os indígenas. Marioni Fischer veio de fora para o evento. Ainda mora na região Sul e ficou encantada com a vibração dos xinguanos em suas apresentações. Formada em dança, ela vê na marcação das batidas dos pés dos índios sua forte relação com a natureza. “Desde criança tenho interesse na cultura indígena e poder ver esta apresentação foi um presente. É uma manifestação tão diferente da nossa cultura europeia. Fica claro na dança deles a relação com a terra. Isso é tão forte. E a gente se afasta tanto das nossas raízes, do que importa realmente. Foi de fato um presente poder presenciar tudo isso.”

Em outubro, a população canaranense terá ainda mais uma chance de conhecer parte da história dos xinguanos. Depois das comemorações dos 50 anos do Parque Indígena do Xingu realizadas na aldeia Ipavu, do povo Kamaiurá, e em São Paulo, na Cinemateca, será a vez da pequena cidade matogrossense receber a exposição fotográfica Xingu + 50. A mostra, organizada pelo ISA, retrata passado, presente e propõe um debate sobre o futuro da primeira grande terra indígena demarcada no País.

ISA, Christiane Peres.

Fonte: http://www.socioambiental.org/nsa/detalhe?id=3401

Enviado pelo Dr. Rogério Reus
Professor e Coordenador do Colegioado do Curso de Antropologia UFPel/RS
Coordenador do NETA  – Núcleo de Etnologia Ameríndia
Vice-Coordenador do NECO – Núcleo de Estudos sobre Populações Costeiras Tradicionais – FURG/RS