Categoria ‘História’ Antropologia

22
Apr

Chamada de Artigos: Ciências Sociais e diálogos com a História

Prezados/as

Encaminhamos anexada chamada da próxima edição da Revista Enfoques – Revista dos Discentes do Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ, tema: Ciências Sociais e diálogos com a História.

As contribuições serão recebidas pelo email revistaenfoques.ufrj@gmail.com até o dia 01 de maio de 2015.

Agradecemos a divulgação.

Equipe Editorial Revista Enfoques PPGSA/IFCS/UFRJ

14
May

Ciclo de Seminários “Estado e Diversidade Cultural”

Módulo I: Políticas de reconhecimento e reparatórias

21 de maio – 19hs – Conferência: Políticas de reconhecimento e reparatórias: possíveis diálogos entre Antropologia e Direito.

22 de Maio – 14hs – Mesa Redonda: Ações afirmativas nas universidades públicas: desafios e perspectivas.

22 de Maio – 19hs – Mesa Redonda: Presença negra das charqueadas: aportes antropológico e histórico.

Local de realização: Auditório da FAE  – Alberto Rosa, 154

Para mais informações por gentileza acesse o cartaz do evento.

Promoção:
Curso de Graduação em Antropologia UFPel
Mestrado em Antropologia UFPel
Instituto de Ciências Humanas UFPel

Organização:
LEPPAIS, NEAAM E GEEUR/UFPel

Atenciosamente,
Rosane A. Rubert
Profa. Departamento de Antropologia e Arqueologia
Instituto de Ciências Humanas – UFPel

21
May

Jornais do século XIX viram lixo em Pelotas

Um grupo de professores está pensando em lançar um protesto contra isso e precisamos do apoio de vocês. Vamos colher assinaturas até segunda, 23 de maio, no prédio do ICH/ UFPel. End: Rua Alberto Rosa, 154,  Centro Pelotas – 96010-770 Tel/Fax: 55 53 32786765.

Acho que todos já ouviram falar do que aconteceu na biblioteca pública recentemente, há pouco mais de 15 dias, em fins de abril/inícios de maio, a cidade de Pelotas, que até agora tinha se caracterizado por buscar a preservação da história e da cultura da cidade e do país como um todo, foi palco de uma situação completamente absurda e injustificável: a direção de sua biblioteca pública, que é gerida por uma associação privada, simplesmente enviou para reciclagem, uma parte importante da história da cidade e da região!

Livros, jornais, diários e mais monografias e documentos impressos (não se sabe exatamente o total do que foi descartado, nem quem definiu o que seria jogado fora), mas enfim, o suficiente para encher mais de um caminhão pequeno, foi enviado para recicladores. E só não foi parar no lixo mesmo porque, num episódio rocambolesco e pouco explicado, foi “salvo” por um dono de sebo, que imediatamente o comprou e o pôs a venda como uma mercadoria qualquer. Alguns desses exemplares ainda se encontram em sebos da cidade e podem ser conferidos até pelo twitter de alguns pelotenses. Seguramente, este dono de sebo deve ter ampliado seu patrimônio em muito, devido apenas ao que, pelo alto, se soube que foi descartado.

Entre eles, por exemplo, uma das únicas, senão a única coleção do jornal A Federação do ano de 1904. Vários outros anos inteiros deste jornal também foram literalmente jogados fora, sob a justificativa de “estarem duplicados”. Mas a catástrofe cultural vai muito além, pois todos os jornais encadernados, que eram duplos, e que se encontravam no porão da biblioteca, como os jornais Correio Mercantil, Opinião Pública, Diário Popular, também tiveram o mesmo fim. Estes são alguns dos jornais pelotenses mais importantes do XIX e XX séculos, e ficamos agora reduzidos apenas a sua coleção em uso, e cuja digitalização tem sido protelada por interferência direta da própria diretoria. E o que se fará quando estes jornais, pelo uso, se desmancharem? Chorar, pelo visto…..

O raciocínio simplista e redutor de que “eram duplos” e poderiam ser descartados, não convence ninguém, pois todos podem se perguntar por que não foram trocados com instituições congêneres, ou doados para uma outra instituição do estado, como reza seu estatuto de  1991, que em seu artigo segundo, item b), diz que a biblioteca “poderá permutar livros e objetos com outras instituições que estejam de acordo com as suas finalidades”. Quanto a alguns estarem em mau estado, ora, para quem conhece, sabe que há várias técnicas de recuperação de documentos que poderiam ser tentadas, com um pouco de esforço na busca de financiamento.

Esta mensagem, além de denunciar este fato, pretende provocar alguma reação, por parte não só da comunidade técnica e acadêmica interessada na preservação da história do país, mas dos próprios pelotenses, que até agora estão assistindo esta situação estupefatos, mas em silêncio, um silêncio que pode passar por aprovação e gerar a reincidência deste tipo de atitude.

Por: Profª. Beatriz Ana Loner
Departamento de História e Antropologia

Enviado pelo: Prof. Dr. Pedro Sanches – Museologia/UFPel.